As ações aqui expostas evidenciam a materialização dos Princípios e Objetivos do ECVU. São projetos realizados em São Francisco Xavier, SP/BR, Área de Proteção Ambiental, na Mata Atlântica, Serra da Mantiqueira.
As vivências realizadas pelo ECVU se caracterizam por suas interações coletivas entre artistas, parceiros e comunidade local, gerando produtos únicos, com arte, ecologia e trabalho social. Para entrar em contato conosco, escreva para ecventosuivantes@gmail.com
Saiba mais sobre o ECVU clicando os links Ateliê Residência, Exposições e Diretrizes e Normas, ao lado.

Reinauguração do Ateliê do ECVU

É com imensa satisfação que anunciamos a reinauguração do Ateliê do ECVU, com novas instalações para produção musical e artes plásticas, fora o chalé extremamente agradável e praticamente dentro da Mata da Serra da Mantiqueira. Estas novas instalações, usaram e abusaram de materiais reutilizados, baixando custos e evitando descartes anti-ecológicos.
Foram dois dias de muita produção, contato com a natureza e muita troca entre os participantes. Como muitos disseram no final, foram momentos "mágicos".
Foram várias atividades artísticas independentes, envolvendo os participantes e visitantes da reinauguração, em momentos e locais distintos.
Nas artes visuais trabalharam Alice Alfaya (aquarela), Anderson Rei (frotages de texturas da mata), Cinthia Crelier e Matheus Giavarotti (pintura). A Ana Maria Altenfelder Silva propôs uma oficina de dobraduras para compor lindas estrelas e contou com a participação da Mirian, Raquel, Thereza, Alice, Nivia, Moacir, Mariângela e Juliana.
No domingo, tivemos a gravação do vídeo do Michel Leme tocando com Felipe Moreno e Abner Paul. Na gravação das imagens, o Flávio Tsutsumi, nosso Tsunami, gravou e "regeu a orquestra de câmeras" de  Gabriela Rodrigues, Jade Nogueira e Victor Bruno. O Ariel Ataide operou o som. Os registros fotográficos ficaram com Roberto Fachini.
A Mayara, o Marcos, o Durval, a Daiana e o Yago, além de curtir tudo que rolava, ajudaram em inúmeras frentes. Na noite do sábado, recebemos algumas visitas de parceiros do ECVU.

Nosso associado Michel Leme e sua companheira Miriam tiveram a satisfação de inaugurar o chalé, fotos abaixo. Este chalé será usado nas atividades de Ateliê Residência, mas também será colocado para alugar, quando não houver uso do Ateliê, e os recursos arrecadados serão destinados a cobrir custo com o sítio e atividades gratuitas que desenvolvemos de educação ambiental e arte com a comunidade local e de outras localidades.
A partir de agora, estas instalações estarão abertas aos interessados, bastando para isso entrar em contato conosco (ecventosuivantes@gmail.com ou cicrelier@yahoo.com.br).


Personagens APA SFX 2015

Caipora
Joaninha 
Borboleta

Bromélia

Formiga
Mula sem Cabeça
Veado Campeiro
Nos dias 25 e 26 de abril e 3 de maio de 2015, no ateliê do ECVU, realizamos ensaios fotográficos ecológicos, para a confecção de painéis para decoração da Tenda de Educação Ambiental, “Personagens da APA SFX”, do 5º Pavilhão da Comunidade SFX. 
A vivência reuniu jovens e adultos de SFX, alunos do Instituto Criar de TV, Cinema e Novas Mídias, através da Oficina de Cabelo e Maquiagem, da educadora Guta Bodick, com os alunos: Adrielle Santana, Amanda Pimentel, Anni Leão, Bianka Gama, Camila Oliveira, Eliza Borges, Ingrid Lima, Karolina Ferrevell, Larissa Sousa, Luiz Martires, Matheus Barbosa, Monica Santos, Nathalia Campos, Talita Oliveira, Asaph Luccas e Binho Oliveira, os dois últimos, da Oficina de Figurino, e os ex-alunos Amanda Santos, Bruna Rodrigues, Gleice Diana Leão e Wellington Amorim. 
Foram criadas 7 personagens que representariam nossas matas e a Área de Proteção Ambiental SFX. São eles: a Caipora e a Mula-sem-Cabeça, personagens folclóricos da região - sendo que a Caipora é protetora das matas – ajudando assim a concretizar um dos itens do Plano de Manejo da APA SFX que é a preservação da cultura local; a Joaninha, inseto importante às lavouras, pois além de polinizar, ainda se alimenta de pulgões; a Borboleta, grande colaboradora na polinização e reprodução das flores; a Bromélia, espécie importantíssima na mata, pois ajuda a reduzir a quantidade de água das chuvas que chegariam com força ao solo, levando embora os nutrientes da terra, a Formiga, que apesar de comer as plantações, criando uma certa antipatia, ajuda a equilibrar o meio-ambiente, regulando o crescimento de plantas fazendo “podas”, acumulando grande quantidade de nutrientes no solo facilitando o crescimento de vegetais e provendo-o de umidade, minerais, nitrogênio e outros nutrientes para a planta, além de ser predadora de outros insetos e o Veado Campeiro, mamífero extremamente dócil da região, ainda largamente perseguido por caçadores. 
Foi um grande trabalho artístico coletivo, com direito a banho de cachoeira, observação da mata e uma profunda discussão que relacionou as necessidades de preservação do planeta, as leis que regem nossa legislação ambiental, em especial as da APA SFX, e a ligação com a crise hídrica atual. Como atitude de sustentabilidade, em todas as maquiagens, figurinos e cenários foram evitadas ao máximo as soluções industriais. Muitas tintas e cremes foram feitos com terra, muitos dos elementos de figurino e cenário reutilizando materiais. A orientação artística das personagens ficou a cargo de Cinthia Crelier, as fotos de Roberto Fachini e o rango de todos foi feito pela Graça Gomes.



3o Encontro do Rock SFX


No dia 15 de novembro de 2014, na Escola Estadual Armando D'Oliveira Cobra, o ECVU realizou o 3º Encontro do ROCK SFX. Foi um evento gratuito onde a arte, no caso a música, foi abordada como algo que deve fazer parte de nossas vidas, num ambiente coletivo, sem divisões entre palco e platéia, remuneração a quem quer que seja, sem ensaios e todos os presentes participando ativamente. 
Agradecemos à Lucimara Diniz, diretora da Escola, ao Michel Leme, à Marrí Moraes, ao Paulinho Cândido e a todos que contribuíram para o sucesso desta iniciativa.
Em breve, estaremos preparando o quarto encontro.


Encontro de gerações de violeiros de SFX - um registro poético





Como faz todos os anos, o 4º Pavilhão da Comunidade de SFX, do qual o ECVU é um dos realizadores, homenageou em sua Tenda Principal um segmento cultural de São Francisco Xavier. Em 2014, os escolhidos foram os violeiros e os “fazedores de viola” do Distrito.
O objetivo desse trabalho está alinhado com as metas, estabelecidas no Plano de Manejo da APA-SFX, de resgatar tradições e valores culturais e valorizá-los perante a comunidade. Ao unir num mesmo espaço, e com muito orgulho, alguns dos mantenedores da “cultura antiga” e a nova geração de SFX, o Pavilhão da Comunidade ajudou a fazer da história e da cultura local uma das pontes para um futuro sustentável e digno.
A vivência aqui registrada em fotos e textos foi produção do ECVU e de ação voluntária e gratuita de todos os envolvidos. Nas legendas das imagens abaixo serão fornecidos informação do processo e envolvidos.

Enquanto os desenhistas faziam seu trabalho, os violeiros presentes fizeram o que sabem
 e gostam de fazer. Reunidos em roda de viola, cantavam e contavam seus causos. Participaram
os violeiros Seu Chico Félix, Seu Zé Teodoro, Da. Maria da Viola, Quinzinho da Viola, Cidinha, 
Plínio, Airton, Alisson, Ricardo, Waldecy (sanfoneiro), Seu Ciro, Paulo  Silva e Célio (luthier).
Os desenhos foram feitos coletivamente por alunos e os artistas convidados.
No dia seguinte `a vivência com os violeiros, novamente na casa da dona Cida, foi a vez de
gravar a prancha de madeira (cavar), "esticar" a tinta no vidro, entintar a prancha, colocar o papel,
esfregar o papel com uma colher de pau para transferir a tinta para o papel e retirar o papel, a magia do aparecimento da nova imagem. Os desenhistas convidados do ECVU foram Ernesto Bonato (Autor dos desenhos na viola que abre esta postagem), Samuel Ornelas, Rafael Kenji, Marina Faria, Deni Lantzman, Carol Vergotti, Ana Inés Flores e Raul Almeida Rodrigues, apoio Ateliê Piratininga. 
Tawany Itala Pereira de Morais, Cristner Gomes da Silva e seu pai Dimas,  Lucas de Oliveira Lessa Batista, Bruna Trosdoff Akiyama Camargo,  Maristela de Moura, José Augusto dos Santos Batista, Guilherme  Fernandes da Silva, Gustavo Fernandes da Silva, Daniel Pereira da Rosa, João Victor da Silva e Thomas  foram os alunos convidados e a Prof. Carmen Becker completou a lista dos desenhistas de SFX
Depois da vivência com violeiros, apenas uma das 4 xilogravuras havia sido impressa.
Na semana seguinte, na EMEF Mercedes Rachid Edward, as outras 3 xilos foram impressas por alunos, sob a orientação de Roberto Fachini,  Cinthia Crelier e a curiosidade de alunos
e professores que passavam em frente desta sala cheia de vidros.
Desenhos dos alunos, de um pai e uma professora.
Este material foi exposto em jogo completo com 28 cartões de desenhos, como os 6 da imagem acima, jogos menores e cartões individuais. Os mesmos foram colocados `a venda por preços acessíveis e a renda dividida entre os artistas e para cobrir custos do Pavilhão.



Personagens APA SFX - 2014


Nos dias 8 e 9 de março de 2014, no Sítio Ventos Uivantes, o ECVU realizou um ensaio fotográfico ecológico, para a confecção de 6 painéis para decoração a Tenda de Educação Ambiental, “Imaginando a APA SFX”, do 4º Pavilhão da Comunidade SFX.
A vivência reuniu 4 jovens de SFX, que fizeram cursos do ECVU (Gabriela Rodrigues, Larissa Aragão, Marcus Rei e Victor Bruno), e alunos do Instituto Criar de TV, Cinema e Novas Mídias, através da Oficina de Cabelo e Maquiagem, da educadora Guta Bodick, com os alunos Janaina Aparaecida Ribeiro da Silva, Fabíola Pereira Silva,  Ana Carolina De Carvalho Pereira, Solange Cirqueira Juvenal, Camila Pereira, Camila da silva Anacleto, Larissa Matias Gomes, Ana Carolina Perejão Lima, Naftali silva, Maria Eugênia Silva Matos, Giovane Ferraz, Laura P. santos Garcez, Daiana P, Bruna Rodrigues (figurino) e Amanda Santos (figurino).
Foram criados 6 personagens que representariam nossas matas e a Área de Proteção Ambiental SFX. São eles: o Bugio, um grande e imponente primata de nossas matas; a mãe das águas, a Iara; a Abelha, grande colaboradora na polinização e consequente reprodução das flores; o Milho, fora das grandes monoculturas e como produção sustentável; o Sapo Cururu, que frequenta os quintais das casas da roça e o Espantalho, a ameaça do homem na defesa de seu cultivo, mas sem poder destrutivo.
Foi um show de trabalho artístico coletivo, com direito a banho de cachoeira, observação da mata e uma profunda discussão que relacionou as necessidades de preservação do planeta e as leis que regem nossa legislação ambiental, em especial as da APA SFX.
Como atitude de sustentabilidade, em todas as maquiagens, figurinos e cenários foram evitadas ao máximo as soluções industriais. Muitas tintas e cremes foram feitos com terra, muitos dos elementos de figurino e cenário reutilizando materiais.
A orientação artística das personagens ficou a cargo da Cinthia Crelier e as fotos de Roberto Fachini.
Além da equipe de maquiagem, veio, do Instituto CRIAR, uma equipe de alunos que realizou o vídeo que pode ser encontrado no link... Esta equipe foi formada por Thiago e Denis (áudio), Liliane (Iluminação), Robert (edição), Mateus (CG), Renata (produção), Vini e Gabriela (cenografia) e Wellington e Amanda (câmera).












Encontro do ROCK em SFX



Michel Leme




Rafael Bittencourt




Uma certeza de todos os presentes:  

DEVEMOS REPETIR !







Rafael Bittencourt, Qunzinho (Amigo e parceiro do ECVU), Vitor e Michel Leme.

Programação do 3o Pavilhão da Comunidade SFX







O Pavilhão da Comunidade de SFX

O Pavilhão nasceu como uma resposta à insatisfação manifestada pela comunidade de São Francisco Xavier com as condições em que a Secretaria de Estado da Cultura produz o Festival da Mantiqueira – Diálogos com a Literatura. O Festival apresenta um elevado nível de qualidade, tem projeção nacional, atrai um significativo volume moradores e de turistas, e gera evidentes benefícios econômicos para pousadas, restaurantes, lojas e pessoas que prestam serviços temporários. Entretanto, é um evento totalmente produzido em São Paulo e que usa SFX como cenário. Nunca fez parte de seu escopo mostrar a história, as tradições e a cultura do Distrito, o que gerou em um sentimento de não pertencimento em seus moradores, que se sentiram invadidos. Tampouco, o Festival se propôs a trabalhar questões relacionadas à preservação do Meio Ambiente, um dos fatores que contribui para que o “cenário” tenha seu verde preservado e seja tão belo e agradável.
Surgiu daí a ideia de criar um espaço onde a gente de SFX pudesse mostrar sua história, sua cultura, suas tradições e sua preocupação com a preservação ambiental, além de divulgar e viabilizar a comercialização do artesanato e dos produtos rurais aqui produzidos.
Barraca de produtor em 2011
No início de 2011, a ideia foi levada ao Conselho Gestor da APA-SFX, que percebeu que esse projeto poderia trabalhar temas que fazem parte de todos os Programas de Gestão estabelecidos no Plano de Manejo. Foi então criada uma Câmara Técnica, formada inicialmente por conselheiros, para implantá-lo e foi também decidido que o Pavilhão seria realizado durante o Festival da Mantiqueira, de forma a ampliar o alcance das atividades nele desenvolvidas, uma vez que esse é o evento que atrai mais público a SFX. Ficou também estabelecido que as atividades do Pavilhão seriam  sempre complementares às do Festival da Mantiqueira, buscando sempre enriquecê-lo e, nunca, concorrendo com ele.
Ao longo do processo de planejamento, produção e montagem do Pavilhão, várias pessoas de SFX se juntaram voluntariamente aos membros da Câmara Técnica, em linha com a principal meta do Pavilhão que é ser da comunidade. Com o esforço de todos e o apoio da Fundação Florestal, da PMSJC e de três entidades (Associação Cultural de Moradores de Lavras - ALAVRAS, Espaço Cultural Ventos Uivantes - ECVU e ORBE – Trabalho, Terra, Ambiente, Gente) e de algumas pessoas físicas, conseguimos sucesso.
Barraca de produtor em 2011
Contamos com 60 expositores, entre produtores rurais e artesãos e registramos mais de 4.000 visitantes nos dois dias do evento. Pesquisa realizada aleatoriamente junto aos visitantes, durante os dois dias do evento, revelou que mais de 80 % dos entrevistados eram moradores de SFX, o que comprovou o enorme interesse despertado pelo Pavilhão na comunidade.
Barraca de produtor em 2011
Em 2012, pudemos contar com importantes apoios da SABESP e da Secretaria de Estado da Cultura, além da Fundação Florestal e da PMSJC. Com isso, pudemos adquirir alguns materiais que serão usados nas outras edições e construir as barracas com bambus, dando ao espaço um visual mais bonito e mais condizente com SFX. Nesse 2º Pavilhão contamos com 58 expositores e tivemos 6.500 visitantes durante os dois dias do evento, representando um aumento de mais de 60 % em relação ao público de 2011.
Nas duas edições do Pavilhão exibimos “banners” contando um pouco da história de SFX e mostrando sua gente nas festas religiosas, no trabalho, no lazer. A tradição dos tropeiros esteve presente através da exposição de objetos, xilogravuras e vídeos. As apresentações de Catira e de Moçambique mostraram ao público toda a força de suas tradições. Força também presente, associada ao sentimento e à beleza, na música de raiz dos violeiros e sanfoneiros.
Roda de viola e catira em 2012
A questão ambiental também teve destaque, tendo sido apresentados, em tenda especialmente preparada para esse fim, os projetos “Nas Zonas da APA-SFX” (2011) e “Nos Sons da APA-SFX” (2012), desenvolvidos pelo ECVU em parceria com a EMEF Mercedes Rachid Edwards.
Em 2012, uma das novidades foi a realização de duas rodas de conversas, que contaram com a participação de ilustres convidados, para debater “SFX como Produtor de Água” e “Atividades Produtivas Sustentáveis em SFX”.



Programação do 3o Pavilhão da Comunidade SFX

Atividades permanentes
Das 9:00 h às 21:00 h do dia 15 de junho e das 9:00 h às 17:00 h do dia 16 de junho

Barracas de produtores
Cerca de 25 produtores estarão expondo e vendendo sua produção local. Serão encontrados vários petiscos regionais como bolinho caipira, caldinhos, joão deitado e também mel, geléias, bolos, pães, queijos, trutas, cachaças, mudas de plantas e árvores, entre outros. 
Reunião de produtores e artesãos para organizar a participação de todos
Barraca de artesanato
Formando uma grande vitrine do artesanato local, esta barraca agrupa e expõe coletivamente o trabalho de cerca de 30 artesãos e artistas de SFX.
Poderão ser encontrados trabalhos com costuras, linhas e agulhas como fuxico, crochê, tricô, patchwork, como também cerâmica, reutilização de materiais, estamparia entre outros.


15 de junho (sábado)

10:00 h - Abertura do 3º Pavilhão da Comunidade SFX com alunos da EMEF apresentando a cultura local com Catira e Moçambique.
A Catira e o Moçambique são danças tradicionais da região e serão encenadas por alunos da EMEF Mercedes Rachid Edwards, sob a orientação da professora Jucilene Moura.

Catira e Moçambique em 2012


10:00 h às 13:00 h, 14:30 h às 16:30 h, 18:00 h às 21:00 h - Instalação: “A APA SFX em Cena”, na tenda de Educação Ambiental e “Maquiagens Ambientais”, na barraca ao lado.


A tenda de Educação Ambiental

Aula de educação ambiental, com maquete da SEMEA e
relevo de nossa APA.
A instalação “A APA SFX em Cena” é uma realização do Espaço Cultural Ventos Uivantes, o ECVU, em  parceria com a Secretaria Municipal do Meio Ambiente, a SEMEA, a EMEF Mercedes Rachid Edwards, a EE Armando D’Oliveira Cobra  e inúmeros membros e amigos da comunidade de SFX.
A instalação visa trazer os conceitos contidos no zoneamento do Plano de Manejo da APA SFX e a materialização do que venha a ser a sustentabilidade, neste contexto. A oficina de cenário do ECVU, com a SEMEA, ocorrida no primeiro semestre de 2013, com alunos das duas escolas acima citadas teve o papel central na construção desta tenda de educação ambiental. Estes alunos tiveram conhecimento artísticos, através das aulas da artista plástica Cinthia Crelier, e conceitos ambientais ministrados pelo Roberto Fachini, do ECVU, e Luciano Machado, da SEMEA.
Alunos da pré-escola fazem flores.
Turma do ECVU produzindo.
Aula de pintura e cenário, na EE Armando Cobra. Caixa
de criação de abelha, produto sustentável, para a instalação.
Além de criações plásticas capitaneadas pela oficina de cenário, a instalação ainda terá sons que trarão o ambiente da APA SFX. Estes sons foram idealizados pelo parceiro e compositor de música nova, radicado em Nova Iorque, Felipe Lara e na engenharia de som o Flávio Tsutsumi, membro do ECVU. Ainda nas contribuições para o cenário, tivemos a parceria com a professora Carmem e seus alunos da EE, na confecção de “casas”, da professora Débora e seus alunos da EMEF, nos “peixes”, da professora Lucimara Diniz e seus alunos da Pré-escola de SFX, nas flores pintadas, e da Inez e seus alunos da Nova Acrópole, nos pássaros em papel machê.  As folhas secas para o chão da instalação foram uma colaboração dos funcionários da subprefeitura e da Urbam que fazem a limpeza de nossa SFX. O Marcelo e equipe de maquiagem da Guta Bodick, do Institu
Alunos de oficina de artes da  EMEF
to Criar de  TV, Cinema e Novas Mídias, parceira do ECVU, trarão o Muriqui, símbolo de nossa APA, ao “vivo” para a  APA SFX em cena”.
Novos parceiros ainda entrarão em cena até o dia do pavilhão, mas esta informação somente teremos no futuro.

A barraca de “Maquiagens Ambientais”


Esta barraca é uma realização do ECVU, como trabalho de conclusão de oficina de Maquiagem para foto e vídeo envolvendo jovens de SFX, e parceria com o Instituto Criar de TV, Cinema e Novas Mídias no ensaio fotográfico que criou os 5 painéis ecológicos (onça, coruja, curupira, árvore  e o muriqui que simboliza nossa APA) que decorarão a barraca.
Final do ensaio fotográfico no ECVU
No Pavilhão, esta barraca estará fazendo maquiagens com motivos ambientais nos visitantes que desejarem, divulgando, assim, ensinamentos sobre o que é a APA SFX.






A barraca da SEMEA com oficinas

Esta barraca trará o resultado de oficinas que serão realizadas no início de junho, semana do maio ambiente, e, eventualmente, será realizada uma oficina no momento do pavilhão.


11:00 h às 11:50 h - Exibição musical dos jovens do Projeto Guri de SFX.
O Projeto Guri tem por missão promover, com excelência, a educação musical e a prática coletiva de música, tendo em vista o desenvolvimento humano de gerações em formação.
Apresentação aos pais e convidados dos alunos do projeto Guri.
O polo do Projeto Guri em SFX é fruto de uma parceria da ORBE e da EE Armando D’Oliveira Cobra com a AAPG – Associação dos Amigos do Projeto Guri. Conta também com a colaboração da EMEF Mercedes Rachid Edwards, de onde provém a maioria de seus alunos. Atualmente o polo atende a 112 alunos, na faixa etária de 9 a 17 anos.

13:00 h às 14:30 - Mulheres e desenhistas fazem e mostram suas artes.
A tenda principal do 3o Pavilhão da Comunidade SFX, onde serão realizados debates e  outras apresentações, será decorada com inspiração nos grupos de mulheres da região e seus trabalhos com bordados, fuxicos, reaproveitamento de PET e outros produtos.
Desenhistas, mulheres e alunos da EMEF.
Para complementar este cenário, artistas parceiros do ECVU e liderados pelo artista Ernesto Bonato fizeram desenhos e pinturas destes grupos de mulheres reunidos para produzirem, “fuxicarem” e compartilharem suas guloseimas nos intervalos destas reuniões. O resultado do trabalho das mulheres e destes artistas forma uma obra única, que será colocada como cenário de fundo das apresentações e debates.
Para dar vida a tudo isso, nesta uma hora e meia, mulheres de todos os grupos e estes artistas estarão revivendo este processo ao vivo, com novos bordados e desenhos.


15:00 h às 15:40 h - Roda de música contemporânea, com músicos de SFX.
Músicos da região farão uma roda de música contemporânea, sem microfones ou palcos distanciando platéia e artistas.

16:00 h às 18:00 h - Telão com o jogo do Brasil na Copa das Confederações.

18:00 h às 19:20 h - Roda de conversa “O Lixo e o Meio Ambiente: quais as melhores soluções para SFX ?”
Dando continuidade à programação da Semana do Meio Ambiente, cujo tema central será a questão do lixo no Distrito, teremos uma roda de conversa com especialistas no tema, mediada pelo Renato Lorza, da Fundação Florestal e Presidente do Conselho Gestor da APA-SFX. A proposta é que sejam discutidos os aspectos mais impactantes da gestão dos resíduos sólidos e apontadas as soluções mais adequadas e viáveis para SFX.

19:30 h às 21:00 h – Roda de música regional e Catira.
Nossos artistas locais.
Diversos músicos e praticantes da Catira de nossa comunidade trarão as rodas de viola e a dança tradicional. A ORBE, através de convênio mantido com a Secretaria de Estado da Cultura, tem dado apoio ao grupo de Catira, buscando preservar a prática dessa tradição e promover a sua transmissão às novas gerações de SFX.

16 de junho (domingo)

10:00 h - Apresentação dos praticantes de Taekwondo de SFX.
Jovens e adultos, liderados pela professora Vanessa Diniz, farão  uma apresentação de Taekwondo. Estas apresentações públicas já fazem parte dos costumes deste grupo que conta com cerca de 120 alunos e costumam trazer um grande público de parentes, amigos e apreciadores desta arte.

10:00 h às 13:00 h, 14:30 h às 16:30 h  às 17:00 h - Instalação: APA SFX em cena, na tenda de Educação Ambiental e “maquiagens ambientais”, na barraca ao lado.
Idem sábado

11:00 h às 11: 40 h - Ballet, Nei Kung e poesia de alunos da Nova Acrópole
Alunos da Nova Acrópole trarão um pouco do que é desenvolvido nesta instituição em SFX.

14:00 h às 15:20 h - Roda de conversa “A Cultura de SFX: ontem, hoje e amanhã”
A transformação da economia local, resultante do incremento do turismo e da criação da APA (Área de Proteção Ambiental), impactou significativamente a cultura local, ameaçando os costumes tradicionais e provocando o nascimento de novos valores. A proposta é discutir esse processo e procurar identificar formas de construir o novo sem perder as referências culturais. Sem esse processo, os moradores nativos das áreas rurais serão marginalizados da construção da nova realidade econômica e social.
Este tema será debatido pelos convidados Alcemir Palma, sociólogo e Presidente da Fundação Cultural Cassiano Ricardo,  Lilian Sales, doutora em Antropologia e professora da Unifesp, e Ronaldo de Souza, membro da comunidade  e conhecedor das várias manifestações culturais locais.

15:30 h às 17:00 h - Encerramento com roda com música regional.
Idem sábado